Jornada da Alma

Jornada da Alma

Nessa rediscussão acerca da eficiência do regime político democracia e observando as eleições presidenciais do Brasil em 2018, me lembro de uma resenha feita do filme Jornada da Alma, mostrando o exemplo prático e real do extremismo político na vida das pessoas, dentre elas uma jovem moça que superou condições impostas pelas causalidades. Acompanhe.

O ano é 1904, com um mundo perto acontecer a primeira guerra entre as nações, tem-se uma jovem com problemas mentais decorrentes também a fatores do passado, largada por seus pais em um pleno sanatório, submetendo-se a tratamentos extremamente danosos e cruéis utilizados naquele tempo. Vindo acontecer os procedimentos até a chegada do psiquiatra Dr. Jung em que além de curá-la utilizando as técnicas do seu professor Freud, os dois se envolvem em um relacionamento ultrapassando a barreira médico-paciente. A surpresa vem logo em seguida.

A jovem moça Sabina (Emilia Fox), diagnosticada com histeria e alguns traumas psicológicos, é tratada em sua maior parte pelo médico psiquiatra Dr. Jung, fazendo um excelente trabalho com uso de técnicas modernas da época, ao mesmo tempo que mantém em dia seu diário atualizado assim como ele. Casado e próximo a ter um filho, Dr. Jung consegue reverter o caso de Sabina depois de alguns meses com muito esforço e competência, embora no decorrer da trama os dois mantém um caso até retomada do controle por parte do médico. A história de Sabina só está começando, o que torna o filme ainda mais composto e imergido de assistir por parte dos espectadores.

A produção baseada em história real com tom literário lançado em 2003, vindo a ganhar diversos reconhecimentos na época, relata a ascensão de Sabina após a alta dela da clínica psiquiátrica na Suíça. A moça passa em medicina da faculdade, se forma, especializa em psiquiatria, monta um empreendimento de tratamento psicossocial com crianças, o primeiro do mundo, a The White Daycare, se torna pesquisadora na área, publica artigos científicos, livros, e assim como seu ex-amante e médico, e agora colega de trabalho e amigo, Dr. Jung, se inspira no “mestre” Freud, ela se inspira em um poeta inglês cujo a Drª o homenageia com a publicação de um livro relacionando suas obras com o período político ditatorial em que estava vivendo, o Regime Nazista, motivo que faz ser reprimida por eles por se recusar a não reconhecer a sua homenagem.

Apesar de tanto Sabina como o Dr. Jung estarem separados por conta dos acontecimentos da vida, o romance dos dois estabelece um gostinho de paixão acesa do casal que permanece (infelizmente) somente na esperança.

Capa do filme estrelado por Emilia Fox

O final dramático do filme com a morte de Sabina pelos nazistas, prestes a entrar no teu auge profissional, é interrompido quando o espectador analisa todo o cenário da arte que são narrados no melhor estilo narrador-personagem por duas pessoas fãs e admiradores da Sabina.

Devido um ser professor de história na sua linha de pesquisa acadêmica e outra ser uma jovem adulta curiosa que encontrou o diário da Sabina na igreja em que foi assassinada, mostra a composição detalhista da trajetória de vida de Sabina. Na análise do cenário da arte do filme, podemos observar a curta e rica história de uma mulher que passou pelos dois lados opostos da crueldade e da felicidade, e que não só deu a volta por cima na sua sanidade mental, como se tornou uma médica psiquiátrica, fundando a primeira escola-creche de crianças com dificuldades psicossociais do mundo, publicando livros e artigos na sua área contribuindo para ciência da psicologia e psiquiatria.

A curta e rica história de Sabina Spielrein começa no início da primeira guerra mundial e acaba na segunda guerra deixando um vasto estudo de caso para profissionais e pessoas. A sua história é dramática tal como o período em que viveu. A experiência de assistir Jornada da Alma, aliás, alma é uma referência a uma pedra especial que Dr. Jung apelidou de “sua alma”, deu à Sabina como lembrança de superação, é equivalente a leitura das obras de romance clássicos europeus.

Deixe um comentário

Nome
E-mail
Site
Comentário

Loading...